Há meros dez anos o mundo mal sabia o que era um smartphone, sequer imaginava o que era uma tela Quad HD em um celular e definitivamente vivia muito bem em um mundo sem aplicativos. Isso tudo, porém, mudou drasticamente ao longo dos últimos anos, e a realidade agora não poderia ser mais distinta.

Desde o lançamento do iPhone da Apple e da entrada do Android por meio do HTC Dream nos idos de 2007 e 2008, o mercado de tecnologia mudou drasticamente, com a nova onda de aparelhos mexendo com a forma como as pessoas produzem e consomem conteúdo digital, e chegando ao ponto de impactar o comércio e até a forma como trabalhamos. Como é de se esperar, com este tipo de mudança vêm grandes oportunidades de emprego – e muitos profissionais querendo fazer parte do novo tipo de negócio.

Se você é um dos que se interessa por este segmento e quer fazer parte do mundo mobile como um desenvolvedor para Android ou iOS, preparamos este artigo com informações de mercado, das tecnologias e do que se espera do presente e do futuro da mobilidade. Aproveite!

O desenvolvimento mobile

Atualmente, as duas linguagens que começaram a corrida da mobilidade são as duas que chegaram até aqui fortalecidas com o passar dos anos. Neste meio tempo, o Symbian, popularizado pela Nokia, deixou de existir e mesmo a gigante Microsoft, que chegou a ficar em segundo lugar no Brasil com o Windows Phone, está praticamente fora da disputa pelo mercado. Assim, quem pensa em criar uma carreira neste ramo tem, basicamente, duas grandes opções: seguir pelo caminho do Google ou da Apple.

Google

Começando pelo Android, trata-se da mais popular plataforma de mobilidade no mundo hoje, presente em mais de 90% dos aparelhos no país, e embarcado em aparelhos de grande sucesso como os Samsung, LG, Xiaomi e muitos outros ao redor do mundo. Seu kernel é baseado em Linux, o que confere uma boa estabilidade para o programa e se ajusta bem à proposta de ser um sistema “aberto” – em clara oposição à proposta mais fechada e protecionista que é tradicionalmente adotada pela Apple.

É justamente o fato de ser aberto que conferiu tamanha popularidade ao sistema. Diferentemente do iOS – ou mesmo do quase extinto Windows para mobilidade – o Android permite uma boa dose de flexibilização em sua interface, permitindo que cada fabricante ofereça um aspecto diferente para seu aparelho (ou mesmo que o usuário baixe um launcher novo, flexibilizando ainda mais a aparência).

Como linguagem principal de desenvolvimento, o Google escolheu o Java, originalmente desenvolvida pela Sun e amplamente popular em web e outras aplicações, sendo usado até mesmo em eletroeletrônicos. Flexível, o Java não é uma linguagem particularmente enxuta, mas sua codificação mais extensa não significa menos agilidade ou estabilidade, de modo que os programas escritos em Java têm consistentemente demonstrado ótimo desempenho em várias plataformas.

Adicionalmente, desde 2017 o Kotlin, vem sendo usado como uma segunda linguagem para Android, sendo mais econômica que o Java e com ampla interoperabilidade com o mesmo. É uma iniciativa do Google para manter o Android sempre atual, ágil e competitivo, e tem dado certo, já que esta nova linguagem criada pela JetBrains vem sendo bem aceita pela comunidade.

Apple

No outro lado do mercado, temos o iOS, o mega sucesso da Apple e o sistema que deu o pontapé inicial para a atual fase da computação móvel. Este sistema é desenvolvido e distribuído exclusivamente pela marca de Cupertino, mas isso não impediu seu enorme sucesso em todo o mundo.

De fato, o iPhone e o iPad são aparelhos cultuados em todo o mundo, e habitualmente têm uma enorme legião de seguidores que não os trocam por nenhum outro aparelho. Boa parte deste sucesso se deve ao fato de que a Apple concentra o desenvolvimento do sistema e do hardware, criando ela mesma os bem-sucedidos processadores série A (atualmente no modelo A11 Bionic) e fazendo com que rodem com o máximo de performance junto a seu OS. Esta prática vem se provando acertada, pois a estabilidade e a longevidade dos iPhones é conhecida no mundo todo.

Em relação à sua linguagem, trata-se do Swift, que veio em substituição do Obj-C como linguagem primária. É rápida, enxuta e tem boa compatibilidade com os frameworks usados no iOS, o que tem gerado excelentes produtos e facilitando sua rápida aceitação pelos programadores.

O mercado para os desenvolvedores

Com cada vez mais aparelho vendidos e mais demanda de apps, é natural que o mercado esteja aquecido e oferecendo bons salários para os desenvolvedores. De acordo com o Love Mondays, a média salarial para o profissional de programação em Android é de R$5.207,00, com um mínimo de R$1.400,00 e teto de R$9.800,00. Em se tratando de um programador Java, é possível notar que estes valores estão relativamente próximos do dev Java Sênior, que tem variação de R$2.500,00 até R$10.900,00.

Similarmente, os desenvolvedores de iOS também têm boas perspectivas: de acordo com o mesmo portal, o salário médio de um programador para iOS no Brasil gira em torno de R$4.950,00, sendo que a maioria das vagas tem valores que vão da casa dos R$2.050,00 aos R$4.400,00, embora existam extremos de apenas R$800,00 e até R$17.000,00. Isso mostra que se trata de um mercado com bastante potencial para crescimento e com vagas para os mais variados níveis de experiência.

Desenvolver para Android ou iOS?

Muitos fazem esta pergunta, sobre qual plataforma é melhor para desenvolvimento e a melhor resposta é: depende.

Ambas plataformas têm um excepcional sucesso em todo o mundo e, embora, o Android possua uma loja com maior número de aplicativos e mais aparelhos, a App Store da Apple tem oferecido mais rentabilidade. Isso vem a mostrar que a escolha por um caminho ou por outro é muito mais uma questão de perfil e de intimidade com o sistema e suas linguagens.

Existe uma opção abrangente e que pode ser atraente para quem já tem experiência com o webdesign, que é o uso de programas de criação e publicação de apps híbridos, construídos em HTML e suas linguagens acessórias, como o CSS e o Javascript. Embora não sejam tipicamente rápidos e estáveis como os apps nativos em Java, Kotlin e Swift, eles apresentam mais flexibilidade de publicação e contam com a facilidade de serem desenvolvidos em HTML, uma linguagem mais amistosa que as demais.

Qualquer que seja sua plataforma, o grande diferencial, contudo, é seu grau de preparação. E isso só um bom curso pode oferecer.

Cursos profissionalizantes para mobile

Seja iOS, seja Android, você precisa estar preparado para atuar em alto nível, e para isso você precisa de um bom curso preparatório. Muitas pessoas acreditam que os cursos gravados na Internet, baratos ou até mesmo gratuitos, servem para dar a base necessária para esta carreira, mas isso não é verdade.

Com a demanda por produtos cada vez melhores e mais completos, o mercado seleciona profissionais bem qualificados, que consigam lidar com projetos complexos e possam contribuir tanto individualmente quanto em equipes. Por isso, quem quer seguir como um profissional de alto nível precisa de uma base forte, com um curso dado por profissionais atuantes no mercado, com material didático rico e com intensa carga horária. Os desenvolvedores formados por cursos de ponta, com 200 horas de duração e ampla interação com professores e colegas, já saem do curso preparados para desenvolver do zero seu próprio aplicativo, o que faz com que estejam preparados para enfrentar o mercado.

Se é este o caminho profissional que você quer seguir, então, não perca tempo: invista no melhor curso disponível e comece sua carreira com o conhecimento que precisa para se destacar neste mercado que não para de crescer.